uwnuxn5y4mao.noticiasbrasil.cf. gv-otm64l54bzdzkl.dv.googlehosted.com google-site-verification=SBVDCSnG_w68wEVCzc2JUFXmukk4xtF32-qHX1jBm9E Governo autoriza mais 63 agrotóxicos e total de registros chega a 325 em 2019 ~ conabil

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Governo autoriza mais 63 agrotóxicos e total de registros chega a 325 em 2019

O Ministério da Agricultura registrou nesta terça-feira, 17, mais 63 agrotóxicos. Desse total, 2 são princípios ativos que servirão de base para produtos inéditos e 5 são novos produtos que estarão à venda. Os demais 56 são genéricos de pesticidas que já existem no mercado.
As autorizações foram publicadas no Diário Oficial da União e com os novos registros, o total de agrotóxicos liberados chega a 325, superando o volume do mesmo período de 2018, quando houve 309 registros.
Assim, o ritmo de liberação deste ano segue sendo o mais alto da série histórica do ministério, iniciada em 2005. Segundo o ministério, do total de produtos registrados em 2019, 310 são produtos genéricos e 15 são à base de ingredientes ativos novos.
O governo liberou 5 agrotóxicos inéditos para os produtores rurais, baseados nos seguintes princípios ativos: São 3 à base da mistura de sulfoxaflor e lambda-cialotrina, 1 formulado a partir de fluopiram e 1 com base no fluorpiauxifen-benzil.
Todos são considerados medianamente tóxicos pela Anvisa e desses pesticidas, os mais polêmicos são os que têm como base o sulfoxaflor, que é relacionado à redução de enxames de abelhas e está em estudo no exterior.
O Ministério da Agricultura também autorizou 56 novos produtos genéricos, sendo 47 para quebra de patentes para a indústria, produto técnico equivalente e 9 para utilização dos produtores rurais, produto formulado equivalente.
Segundo o governo, a maior velocidade na liberação de agrotóxicos se deve a medidas de desburocratização que foram adotadas desde 2015 na fila de registros.
O objetivo, de acordo com o ministério, é aprovar novas moléculas, menos tóxicas e ambientalmente mais corretas para substituir produtos antigos.

Fonte: G1

0 comentários:

Postar um comentário