No segundo dia de propaganda eleitoral gratuita na televisão, o candidato à Presidência do PSL, Jair Bolsonaro, repetiu a peça que foi usada na estreia, na sexta-feira (12). Já Fernando Haddad, do PT, fez alterações no material, tirou a parte que mencionava agressões contra eleitores nos últimos dias, elevou o tom contra o adversário e apresentou propostas.

A campanha do petista levou a vice na chapa, Manuela D’Ávila (PCdoB), para falar sobre notícias falsas. “Certamente você tem WhatsApp e Face e já recebeu notícias absurdas, são mentiras. Eles espalham boatos e notícias falsas, atacam a nossa moral e até as nossas famílias. Eles jogam sujo. Dá para confiar em quem usa religião e até crianças só para nos atingir”, diz.

Manuela então aponta o celular com informações falsas que Bolsonaro tem afirmado. Entre os exemplos está o livro que Bolsoanro mostrou no Jornal Nacional sobre educação sexual que nunca foi distribuído pelo governo nas escolas. A peça traz ainda supostos eleitores dizendo que essas informações geralmente chegam por grupo de WhatsApp de família. “Ou seja, está baseando toda sua campanha em mentiras.”

Mostra também imagens de Bolsonaro afirmando que votou contra todos os direitos das domésticas e que os trabalhadores vão ter que decidir entre menos direito e emprego ou todos os direitos e desemprego. A propaganda associa o adversário a uma versão piorada do governo do presidente Michel Temer.

Haddad elenca programas sociais criados no governo PT , diz que esses as pessoas já conhecem e que agora quer apresentar suas propostas. Ele aproveita parte do horário eleitoral para dizer que vai criar o Meu Emprego De Novo, focado na geração de emprego e fortalecimento do salário mínimo.

Como na peça de sexta-feira, Haddad faz um aceno aos eleitores que votaram em outros candidatos. “Essa campanha não é de um partido, é de todos que querem mudar para melhor o País. Vamos unir, a hora é agora….

Continue a ler no HuffPost



Source link

Por favor, siga , curta e compartilhe