São Paulo leva empate improvável e fica na zona de rebaixamento

[ad_1]

Feriadão prolongado, muita gente fora da Capital para curtir a praia ou a calmaria do interior, mas 43.724 pessoas – a esmagadora maioria tricolor – escolheram ir Morumbi para apoiar, sofrer e, no fim, amargar um empate do São Paulo com a Ponte Preta. De volta ao Cícero Pompeu de Toledo após quase um mês, a equipe de Dorival Júnior decepcionou mais uma vez e acabou ficando no 2 a 2 com a Macaca mesmo depois de abrir dois gols de vantagem no placar. O alívio para uma noite de sábado fora da zona de rebaixamento não aconteceu e, pior, a situação pode piorar nesse domingo, quando o Avaí visitará o Sport na Ilha do Retiro e a Chapecoense receberá Cruzeiro pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Falando em zona de rebaixamento, fica difícil entender porque o São Paulo entrou em campo nessa condição se olharmos apenas o primeiro tempo. Militão ‘jantou’ Lucca na lateral direita, Lucas Fernandes jogou como um veterano. Flutuou, como Dorival tanto pede a Cueva, banco nesse sábado, armou, finalizou e sofreu a falta que originou o primeiro gol do jogo.

Pela sete vez nos últimos sete jogos, Hernanes foi às redes, e de novo em uma golaço de falta. Dessa vez a bola tomou o capricho de tocar no travessão antes de entrar, só para dar mais plasticidade ao lance do Profeta.

Gilson Kleina percebeu que precisava mexer para não ser goleado. A derrota magra até ali estava barata. Então, Léo Gamalho entrou na vaga de Elton para fazer companhia a Emerson Sheik, tão isolado no ataque durante toda a etapa inicial.

Não adiantou. O São Paulo, sob a batuta de Hernanes e Lucas Fernandes, continuou melhor e chegou ao segundo gol de forma merecida, mas inusitada. Aranha saiu do gol completamente atrasado e perdeu no alto para o estreante zagueiro Bruno Alves. O gol deu a sensação de que o jogo estava liquidado.

Engano. E que engano. A reação da Ponte Preta começou quando Sidão espalmou uma cabeçada a queima roupa de Luan Peres. Na sequência, um bate rebate incrível dentro da área resultou em pênalti para a Macaca e expulsão de Jucilei. O volante, mesmo caído no chão, evitou o gol de Naldo com o braço. Danilo não desperdiçou a chance na cobrança da penalidade e colocou a Ponte no jogo.

Com um a menos, o São Paulo se perdeu em campo. Não demorou e, após alguns avisos, a Ponte Preta chegou ao empate com Léo Gamalho, de cabeça. O Morumbi silenciou. Nem mesmo críticas eram possíveis ser ouvidas.

Antes do apito final, Sidão ainda evitou o pior, a trave colaborou e o São Paulo, por muito pouco, não levou uma virada histórica diante de seu torcedor. Agora, ao Tricolor, 24 pontos e 19º colocado, resta pensar no Vitória, desafio de domingo, em Salvador. Já a Ponte Preta, 13ª com 28 pontos, terá a chance de embalar em casa, contra o Atlético-GO.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 2 X 2 PONTE PRETA

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)

Data: 9 de setembro de 2017, sábado

Horário: 19 horas (de Brasília)

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)

Assistentes: Dibert Pedrosa Moises e MIchael Correia (ambos do RJ)

Cartões amarelos: SÃO PAULO: Edimar. PONTE PRETA: Elton

Cartão vermelho: SÃO PAULO: Jucilei

Público: 43.724 total

Renda: 1.059.664,00

GOLS:

SÃO PAULO: Hernanes, aos 33 minutos do 1T, e Bruno Alves, aos 11 minutos do 2T.

PONTE PRETA: Danilo, aos 19, e Léo Gamalho, aos 29 minutos do 2T

SÃO PAULO: Sidão; Militão (Buffarini), Bruno Alves, Rodrigo Caio e Edimar; Petros, Marcos Guilherme (Cueva), Jucilei, Hernanes e Lucas Fernandes (Marcinho); Lucas Pratto

Técnico: Dorival Júnior

PONTE PRETA: Aranha; Nino Paraíba, Marllon, Luan Peres e Danilo; Fernando Bob, Elton (Leo Gamalho), Naldo (Renato Cajá) e Saraiva; Lucca (Maranhão) e Emerson Sheik.

Técnico: Gilson Kleina

[ad_2]

Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *