Alexandre Mattos recebe ameaças de morte por má fase do Palmeiras

[ad_1]

Alexandre Mattos recebeu ameaças de morte. O fraco desempenho do Palmeiras e a derrota do último domingo, frente a Chapecoense, fizeram com que as mensagens recebidas pelo gerente executivo do Verdão passassem de ofensas à atemorizações por sua vida.

O dirigente alviverde não irá se manifestar sobre o assunto, mas relatou o caso a alguns funcionários do Palmeiras, e as ameaças foram confirmadas pela assessoria de imprensa do clube à Gazeta Esportiva.

Mattos, ao lado do presidente Mauricio Galiotte e do técnico Cuca, tem sido o principal alvo de críticas por parte de conselheiros e torcida do Palmeiras. O motivo é o alto valor investido para 2017, em que o Alviverde tinha como objetivo declarado a conquista da Copa Libertadores. No torneio sul-americano, porém, foi eliminado nas oitavas de final pelo Barcelona de Guaiaquil.

Há algumas semanas, a maior torcida organizada do Palmeiras também pediu a saída de Alexandre Mattos, que está no clube desde 2015 e tem contrato até dezembro de 2018, quando se encerra o mandato de Mauricio Galiotte como presidente. O mandatário, porém, já deixou claro que o dirigente seguirá no Palestra Itália.

Os uniformizados fizeram um “dossiê” sobre as contratações do Palmeiras. Constataram que Borja e Deyverson, juntos, custaram R$ 52,7 milhões. Segundo eles, seria possível contratar Everton Ribeiro, Guerrero, Thiago Neves, Pratto e Pablo gastando, ao todo, R$ 67 milhões.

“Ou seríamos mais criativos e gastaríamos no mercado europeu com nomes consagrados (não desconhecidos). Poderíamos trazer alguns desses: Ganso (R$ 35 milhões) + Van Persie (R$ 20 milhões) + Jackson Martinez (sem custo) ou Chicharito (66 milhões) ou Pato (R$ 66 milhões)”, escreveram.

Curiosamente, a Mancha Alviverde, ignorada por Paulo Nobre, se reaproximou do clube com a vitória de Maurício Galiotte na eleição presidencial. Durante a campanha, a torcida foi à Academia de Futebol prestar apoio em diversas oportunidades.

O tom começou a mudar depois da derrota para o Corinthians, quando a ida à porta do CT foi organizada para fazer cobranças e dizer que a Libertadores era obrigação. Depois, os uniformizados foram à Academia de Futebol para realizar cobranças em outras duas oportunidades. Já no estádio, após a eliminação alviverde diante do Barcelona, Egídio foi xingado nominalmente e o time chamado de “sem vergonha”.

[ad_2]

Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *